06
mar

Mercado de galpões logísticos mostra sinais de reação no Sul

Crescimento deve ser de 30% em relação a 2017

O mercado de galpões logísticos deve crescer na Região Sul em 2018, com potencial de absorção bruta em torno de 145 mil metros quadrados, um crescimento previsto de 30% em relação a 2017. A previsão é da NAI Brazil. Segundo estudo da consultoria, com a inflação sob controle e a economia ensaiando uma sensível recuperação, o varejo já dá sinais de melhora e é possível prever redução da vacância. O setor deve recuperar parte das perdas, mesmo com forte pressão dos clientes para que as empresas de condomínios logísticos baixem o preço.

 
“Se tudo ocorrer como estamos prevendo, o mercado de galpões do Sul deve voltar a crescer, sem receber volume elevado de novo estoque, fazendo com que a disponibilidade se mantenha estável com viés de queda”, diz Rogério Luz, gerente nacional da NAI Brazil. Concessões como prazo de carência para pagamentos e descontos regressivos devem ditar os negócios. “Conforme o ciclo, o inquilino ainda terá mais poder de barganha mesmo com uma perspectiva de retomada da economia”, explica.

Novos investimentos

Referência no Sul, a Capital Realty, desenvolvedora e administradora de ativos imobiliários no setor de infraestrutura logística, concentra seus investimentos em Canoas e Esteio (RS), Itajaí (SC) e Campina Grande do Sul (Paraná), região metropolitana de Curitiba.
 
Em Canoas, a Capital Realty finaliza a terraplanagem para a construção de um novo condomínio logístico, o MEGA Centro Logístico Canoas. Com investimento total de aproximadamente R$ 300 milhões, o projeto é considerado o maior dos últimos 40 anos na cidade. Ao todo serão 160 mil metros quadrados de área construída, sendo o maior condomínio logístico da Região Sul, com quase três vezes o tamanho do MEGA Centro Logístico Esteio, também da Capital Realty.

Após a terraplanagem, a previsão é de que a construção do condomínio comece em 2019. O empreendimento gerará aproximadamente 3,5 mil vagas diretas de trabalho e outros 7 mil postos indiretos.

“É o nosso maior empreendimento e o de maior porte e relevância em toda a Região Sul”, diz Rodrigo Demeterco, presidente da Capital Realty. A localização, a apenas 10 km da capital, foi fundamental para a escolha de Canoas.

“Todos os setores enfrentaram um período complicado com a crise econômica do país, o que fez com que as empresas pisassem um pouco no freio. A previsão é de que 2018 seja relativamente melhor, então naturalmente o mercado começa a reagir. Nós estamos retomando os investimentos e ampliando nossos serviços para melhoria constante do atendimento”, diz.

Em Itajaí, a Capital Realty planeja iniciar ainda este ano a ampliação do complexo MEGA Centro Logístico Itajaí. Serão mais 30 mil metros quadrados novos de área construída, totalizando mais de 82 mil metros quadrados no condomínio já existente. O investimento para a ampliação será de aproximadamente R$ 60 milhões.

Na região Sul, a administradora já sente um aumento na procura por armazéns, cerca de 20% a mais do que no mesmo período do ano passado.

No início de 2017, a Capital Realty inaugurou a expansão de seu Condomínio Logístico em Campina Grande do Sul, região metropolitana de Curitiba para atender a Bosch, que transferiu toda a divisão de ferramentas elétricas de São Paulo para a região metropolitana de Curitiba. O investimento da Capital Realty foi de R$ 20 milhões em infraestrutura. Com isso, o Paraná ficou em segundo lugar em locação de condomínio logístico modular, atrás apenas do mercado paulista, segundo dados da NAI Brazil.

Desempenho
 
A Região Sul terminou 2017 com um valor médio pedido por metro quadrado de R$ 17,08 ante R$ 16,55 no mesmo período em 2016. A absorção bruta foi de 120 mil metros quadrados em 2017 ante 224 mil metros quadrados em 2016. Já a absorção líquida foi de 88 mil metros quadrados, conta 109 mil metros quadrados em 2016.

Cenário nacional
 
Ainda que o primeiro semestre de 2017 tenha registrado pouca movimentação, a segunda metade do ano mostrou números animadores, que projetam cenário melhor para 2018, de acordo com a NAI Brazil. A expectativa é de que em dois anos a relação entre demanda e oferta esteja mais equilibrada.
 
A absorção bruta em 2017 ficou 24% abaixo do que foi registrado em 2016. A disponibilidade já esteve maior e foi sendo reduzida ao longo do ano, mas encerrou 2017 nos mesmos patamares de 2016, próximo a 26%. “Mesmo que a entrega de novos empreendimentos tenha sido menor se comparada aos anos anteriores, a absorção líquida não evoluiu no mesmo ritmo e foi determinante para manutenção da disponibilidade ainda em patamares elevados”, informou o gerente nacional da NAI Brazil, Rogério Luz.
 
Ainda de acordo com Luz, o valor médio pedido por metro quadrado, no país, foi de R$ 19,03, ante R$ 19,29 no trimestre anterior. No estado de São Paulo, o preço pedido passou de R$ 18,65 para R$ 19,18. A absorção bruta no mercado paulista foi de 900 mil metros quadrados, e a líquida, de 368 mil metros quadrados. Foram entregues 58 mil metros quadrados no estado de outubro a dezembro. A vacância ficou em 27%, abaixo dos 28,8% do fim de outubro.
 
Sobre a Capital Realty
 
A Capital Realty é referência na construção e administração de condomínios logísticos industriais e empreendimentos sob medida. Com forte atuação nos três estados da Região Sul e em São Paulo, a Capital Realty oferece uma equipe formada por gestores e engenheiros com larga experiência no mercado imobiliário e se destaca pela capacidade técnica de desenvolver, executar e gerir ativos imobiliários de forma inovadora. Os empreendimentos levam a bandeira Mega, classificados como padrão A de infraestrutura logística/industrial e disponibilizam todo o suporte para os clientes que se instalam nos centros logísticos.



« Voltar

23
mai

Empresas fecham contratos por WhatsApp Business

Recursos do aplicativo podem agilizar prospecção e manter clientes satisfeitos

+MAIS

23
mai

UniOpet apresenta oportunidades profissionais para brasileiros no Canadá

Semana Quebec ocorre até o dia 25 de maio

+MAIS

22
mai

Luto Curitiba arrecada doações de inverno para a Casa dos Pobres São João Batista

A tradicional Campanha de Inverno da Luto Curitiba visa coletar roupas, agasalhos e outros produtos até o dia 20 de julho para adultos e crianças atendidas pela instituição

+MAIS

22
mai

Smart City Expo Curitiba tem datas definidas para 2019

A segunda edição brasileira do maior evento sobre cidades inteligentes do mundo será realizada nos dias 21 e 22 de março

+MAIS