27
jul

Plataforma digital inédita evita gastos por retenção de cargas nos portos

MeusEmbarques.com foi desenvolvida no Paraná e tornou-se ferramenta estratégica na importação e exportação de mercadorias, durante a pandemia da Covid-19

A plataforma MeusEmbarques.com, lançada pelo Grupo Pinho para fornecer em poucos cliques todas as informações necessárias à gestão da logística aduaneira, tornou-se com a pandemia da Covid-19 a ferramenta mais robusta do mercado para garantir as entregas dos clientes, reduzir processos burocráticos e evitar prejuízos decorrentes da pandemia. Os gastos com retenção de cargas, em forma de impostos de nacionalização e armazenagem de mercadorias, dispararam desde março, quando grandes portos começaram a reter cargas e a dificultar processos que são naturalmente complexos. 

A Pinho acelerou o investimento de R$ 2 milhões que vinha fazendo nos últimos quatro anos em desenvolvimento tecnológico para oferecer um pacote de serviços digitais inédito no país. Cerca de 100 mil processos do ramo do desembaraço aduaneiro já estão cadastrados. 

“A pandemia restringiu os contatos pessoais e a rotina presencial, então todos estamos debruçados no mundo digital, que precisa ser cada vez mais ágil e seguro”, diz Tatiane Vigiarelli, gerente de comércio exterior da Ambev. Dentro da plataforma, a Ambev conseguiu trocar um processo burocrático e manual de envio de cartas-protesto por uma solução com assinatura digital. “Além de demorado e custoso, o processo analógico exigia o rastreamento dos documentos e armazenamento. A Pinho foi proativa com uma solução que validamos com a seguradora. Temos usado as assinaturas digitais desde então, de forma mais segura e ágil. E conseguimos uma economia de 3% nesse processo.” 

Economia para empresas 

A MeusEmbarques.com funciona como um portal de integração também para os processos internos dos clientes. “Nosso objetivo foi garantir o acompanhamento dos processos de importação e exportação, para que as empresas possam visualizar uma série de dados e informações, relatórios de acompanhamento de status por canal, por modal e etc. Clientes como a Ambev, que tem mais de 200 CNPJs, podem filtrar as consultas, um a um, o que facilita a visualização dos dados. Mas também podem fazer a gestão de acesso de usuários, criar grupos, segregar internamente que o usuário X possa acessar os CNPJs 1, 2 e 3, por exemplo. Além dos status, a plataforma permite a visualização dos eventos já realizados e dos previstos. Podem ser vistos os documentos relacionados a cada processo, prestação de contas do fluxo, com possibilidade de download”, explica Mário Dalla Valle, gerente de TI da Pinho. 

Ainda no portal, os usuários dispõem de um campo de busca como o Google, em que a consulta pode ser feita por palavra ou por dado relacionado ao processo. Outra funcionalidade é permitir que clientes de clientes possam também acompanhar os processos, o que aumenta a confiabilidade da cadeia de prestação de serviços. 

O desenvolvimento é contínuo, em diferentes formatos. As soluções oferecidas pela Pinho para as empresas também têm gerado economia no gerenciamento de cargas e importações, diante das constantes retenções nos portos. 

Recentemente, a empresa fez uma remoção de carga de alto valor para um porto seco (zona secundária), evitando que o cliente tivesse que arcar com os custos de impostos da nacionalização e armazenagem da mercadoria. “O cliente economizou 80% do que seria gasto, caso a mudança para o porto seco não fosse feita. Nossa expertise do dia a dia permite aplicar ações estratégicas como essa”, detalha Pedro Flores de Souza, gestor de operações do Grupo Pinho.

Mais suporte e integração

O gerente de TI explica que aos 80 anos de atividade o grupo – que tem sede em Curitiba, de onde comandou a importação de todos os equipamentos da usina hidrelétrica Itaipu Binacional nos anos 1970 - vem trabalhando como nunca no desenvolvimento tecnológico para oferecer suporte e integração ao desembaraço aduaneiro. Mais três plataformas digitais de uso interno garantem gestão de processos e financeira.

“Além dos profissionais com capacitação em Comércio Exterior, temos a competência de desenvolvimento de tecnologia. Nosso principal foco foi garantir, num primeiro momento, as ferramentas de gestão. Agora, é melhorar a comunicação com os clientes. Para isso, observamos as formas de interação do mercado. Pelo menos para isso a pandemia tem sido benéfica, evidenciando novos modelos e formas de trabalho. Todos os dias, trabalhamos para lançar funcionalidades que otimizem a rotina dos nossos clientes”, diz Dalla Valle.

Sobre a Pinho

A Pinho oferece soluções logísticas com inteligência de mercado, unindo experiência e inovação. Pioneira no ramo de desembaraço aduaneiro, a Pinho iniciou suas atividades em 1937 e fez parte de grandes projetos nacionais, como a importação de peças para a Usina de Itaipu e para a Fábrica de Celulose da Eldorado. Ao longo de oito décadas, o grupo se destaca por ajudar a desburocratizar e otimizar processos no setor de comércio internacional para empresas, contando com sistema próprio de tecnologia para acompanhamento de cargas, além de oferecer frete internacional (marítimo e aéreo), frete rodoviário, seguro de cargas e recuperação de impostos. Grandes grupos empresariais estão entre os principais clientes da Pinho, que atua em todo o país e tem sedes nos estados de Santa Catarina, Paraná e São Paulo.



« Voltar

25
nov

Venda de imóveis rurais por meio de leilão cresce 18% no Paraná

Interessados podem comprar chácaras e fazendas por metade do valor de mercado

+MAIS

24
nov

Black Friday: grandes empresas investem em centros de distribuição variados para entregas mais rápidas

Disputa para entregar produtos rapidamente fica ainda mais acirrada em uma liquidação diferente das anteriores

+MAIS

24
nov

Executivos debatem oportunidades de negócios em Portugal

Live acontece na próxima quinta (26) no canal do Youtube do WTC Curitiba

+MAIS

24
nov

Santa Catarina é o primeiro estado do Sul a implantar biometria neonatal em alta definição

Tecnologia inédita no mundo foi desenvolvida no Brasil e já está disponível em Goiás, Pernambuco e Mato Grosso

+MAIS